Jeffrey Cross
Jeffrey Cross

O Gatewing X100 no Mini-Maker Faire de Saint Malo

Este post está vindo para você ao vivo da Mini-Maker Faire de Saint Malo - a primeira Maker Faire na França - sendo realizada no IUT de Saint-Malo aqui neste fim de semana.

Omar-Pierre Soubra com o UAV Gatewing X100.

Embora não seja o modelo mais recente - que seria o seu UX5 - o drone Trimble Gatewing X100 estava atraindo muita atenção na Mini-Maker Faire de Saint Malo. Com capacidade de operação autônoma, desde o lançamento até o pouso, o drone foi projetado para mapear o terreno que está sobrevoando.

O drone tem um corpo de poliestireno - com fibra de carbono reforçada na ponta das asas e nas pontas das asas - e abriga uma câmera controlável que permite que um modelo 3D do terreno subjacente seja construído usando fotogrametria. Ao lado da câmera, o drone carrega um rádio de 2,4 GHz, uma unidade de GPS, um acelerômetro e um giroscópio - também tem um tubo de Pitot montado em uma das asas.

Depois de definir a área a ser mapeada dentro dos mapas do Google, o drone é lançado de um sling e retornará de forma autônoma após seu voo de reconhecimento aterrissar - o que explica a hélice dobrável montada na parte traseira.

Curiosamente, um dos principais usos do drone é calcular volumes; Muitas pedreiras de minas a céu aberto estão usando isso para descobrir quanta rocha foi removida no final do dia, e as municipalidades estão usando-a para sobrevoar os montes de lixo - e calcular quanto volume de lixo foi adicionado em vez de levado embora.

Omar-Pierre Soubra - da Trimble e aqui com o drone em Saint Malo - comentou que a legalidade de operar o drone variava enormemente entre os países. Por exemplo, aqui na França, você precisou de uma licença completa de piloto e deve arquivar planos de voo e outros documentos, enquanto em outros países a regulamentação era muito menos rigorosa.

Ação

Deixar Um Comentário